9 passos para fortalecer o Compliance e a governança corporativa nas empresas

Casos de corrupção estão longe de ser exclusividade das estatais e de grandes empresas que atendem o setor público. O risco também está presente no dia a dia de pequenas e médias empresas. Isso porque elas estão expostas ao contato direto com agentes públicos de diversos órgãos, como por exemplo, fiscais da Receita Federal, do trabalho, agentes ambientais, da vigilância sanitária entre outros.

 

No caso das pequenas empresas os contatos com esses agentes públicos são realizados, na maioria das vezes, diretamente com o dono do negócio que, diante de algumas situações, pode se sentir coagido ou tentado a buscar caminhos escusos para resolver problemas. Nesses casos, se o empresário faz um acordo ilícito ou atende ao pedido de um fiscal corrupto, não existe programa de Compliance capaz de ajudar a empresa a não ser punida pelas vias legais.

 

Já para empresas e empresários que levam a sério a questão ética e têm a disposição de construir um ambiente mais justo e transparente para os negócios no Brasil, aí sim ter um programa de Compliance ajudará a navegar com mais segurança em situações como essa.

 

Ter um bom programa de Compliance em uma empresa de menor porte não implica em grandes investimentos. Também não se trata de um bicho de sete cabeças. É uma questão apenas de investir tempo e dedicação de alguns funcionários para entender e desenhar uma solução que esteja adequada ao porte e ao setor de atuação da empresa, como já mostramos aqui no blog algumas razões para ter um programa de Compliance Anticorrupção.

 

Para a maioria delas, contar com um bom código de conduta já é o suficiente. Não precisa (e nem deve) ser um documento gigante, com uma infinidade de regras. Tem de ser algo capaz de transmitir de forma simples e clara as regras sobre como os funcionários e proprietários devem agir em situações que envolvam o relacionamento com o poder público. Seja na hora de receber um fiscal, de buscar algum tipo de incentivo fiscal ou de participar de uma licitação com a prefeitura, por exemplo. A ideia de trabalhar com poucas regras são para que todos possam assimilá-las e, ao lidar com situações de risco, saibam como agir mesmo diante de uma situação de pressão por parte do agente público.

 

Porém, apesar de não haver modelos estanques, há orientações amplamente aceitas e que servem como parâmetro às medidas a serem introduzidas para garantir a efetividade do programa de Compliance de cada empresa. São elas:

 

  1. O tom que vem de cima: disseminando a cultura do Compliance.
  2. Implemente a área: demonstre os benefícios e elimine os mitos para obter apoio.
  3. Forme o time: busque as pessoas certas e os recursos adequados.
  4. Mapeie e monitore: estabeleça metas de redução de riscos.
  5. Comunique e treine: promova a transparência.
  6. Dê voz a todos: garanta um canal de denúncias, investigue, resolva e reporte.
  7. Calibre as condutas: incentivos e sanções — os mecanismos-chave.
  8. Avalie e evolua: estabeleça critérios de métrica e promova melhorias no seu programa.
  9. Prove que você tem um programa: fórmula de sucesso e abrandamento de sanções.

 

E você, já tem um porgrama de Compliance na sua empresa?Lembre-se: é melhor caminhar pela estrada do Compliance, não importa o tamanho da sua empresa. A pressão dos mercados e dos consumidores por mais transparência corporativa vai fazer com que quem esteja de fora dessa trajetória fique também de fora do jogo.

   
Voltar
Imprimir
Compartilhar
Comentários:
0 Comentário(s)

Deixe o seu comentário!