Quais as diferenças entre sistemas convencionais e endereçáveis nas centrais de alarme de incêndio?

No dia a dia é comum encontramos dificuldades para entender qual é o sistema ideal para cada ambiente na hora da instalação de centrais de incêndio. As dúvidas podem surgir em relação ao tamanho do local, se existem muitas variáveis, além de nem sempre entendermos o funcionamento de cada sistema.

 

As centrais são diferenciadas pelo modo de operação e instalação, sendo esses convencionais e endereçáveis. Entenda as principais diferenças e faça a escolha ideal para seu projeto. Para isso, elencamos os principais pontos e diferenciais de cada sistema:

 

Sistema convencional

 

Os sistemas convencionais são, geralmente, mais utilizados e adequados para projetos mais simples, com ambientes que possuem áreas menores e menos dispositivos. É uma solução que permite o monitoramento da área delimitado por zonas ou setores. Habitualmente, o sistema convencional é composto por uma central de alarme de incêndio somada a detectores e/ou acionadores, cada um destes ficando responsável pela cobertura de uma determinada zona ou setor. Deste modo, quando houver o disparo de um detector, a central consegue informar em qual zona ocorreu o disparo, porém, sem identificar o ponto exato em que se deu a ocorrência ou princípio de incêndio.

 

Sendo assim, uma zona ou setor não deve abranger grandes áreas para não dificultar a localização do exato ponto da ocorrência.

 

É importante ressaltar que os sistemas convencionais exigem manutenção periódica para o funcionamento correto do sistema. Isso ocorre, pois ele não detecta falhas e defeitos nos dispositivos (detectores e acionadores) de forma automática.

 

Sistema endereçável

 

Os sistemas endereçáveis são denominados desta forma, pois a tecnologia endereçável permite que cada dispositivo, seja ele um detector e/ou acionador conectado a uma central, receba um número que é chamado de “endereço”. Esta função permite a identificação do ponto exato da ocorrência de um sinistro, além de informar o tipo de detector.

 

As centrais de alarme de incêndio endereçáveis são geralmente utilizadas em grandes ambientes devido à sua tecnologia, que permite uma verificação ágil do ponto de sinistro, assim, possibilitando uma atuação rápida e eficiente, pois a central informa no display qual dispositivo foi acionado.

 

Dependendo do tipo de protocolo de comunicação que é utilizado, a central consegue “conversar” com cada dispositivo de maneira rápida e individual, mantendo controle sobre os que estão ativos e indicando o alarme ou possíveis falhas no sistema. Deve-se lembrar que os sistemas endereçáveis utilizam protocolos proprietários, ou seja, os dispositivos instalados nas centrais devem possuir o mesmo tipo de comunicação.

 

 

Os sistemas endereçáveis são subdivididos em duas classes: A e B.

 

Sistemas endereçáveis: classe A e classe B

 

Sistemas endereçáveis do tipo Classe A: São todos circuitos que possuem uma fiação de retorno à central, de forma que uma eventual interrupção em qualquer ponto não implique em paralisação parcial ou total de seu funcionamento.

 

 

Sistemas endereçáveis do tipo Classe B: Trata-se de todo circuito onde não existe uma fiação de retorno à central, de forma que uma eventual interrupção em qualquer ponto deste circuito implique na paralisação parcial ou total de seu funcionamento, utilizando protocolo de comunicação unidirecional. Essa topologia de instalação tem como principal diferencial a redução de cabos, gerando uma maior economia, informando a localização exata do dispositivo em alarme.

 

Vamos relembrar as principais características de cada sistema:

 

Sistema convencional

 

Não permite a localização exata do ponto em sinistro;

  • Indicado para ambiente menores;
  • Necessita manutenção periódica;
  • Não detecta falhas e defeitos nos dispositivos e cabos;
  • Geralmente é um sistema de baixo custo;
  • Facilidade de instalação;
  • É um sistema em conformidade com a norma NBR 17240.

 

Sistema endereçável

 

  • Permite a localização exata do ponto em sinistro;
  • Indicado para ambientes maiores;
  • Detecta falhas e defeitos nos dispositivos e cabos;
  • É um sistema em conformidade com a norma NBR 17240.

 

E para você, qual o melhor sistema de alarme de incêndio? Deixe sua opinião e nos acompanhe aqui no Blog e no Facebook.

   
Voltar
Imprimir
Compartilhar
Comentários:
0 Comentário(s)

Deixe o seu comentário!