Você sabe como funciona o detector de fumaça?

Um equipamento simples, de fácil instalação e que tem custo irrisório diante do benefício que proporciona, o detector de fumaça pode salvar vidas e proteger patrimônios. Como o nome indica, o aparelho detecta a presença de fumaça em um determinado ambiente, que pode ser originada de um início de incêndio, e aciona um sistema de alarme, que avisará as pessoas que estão no local sobre o incidente, permitindo que elas escapem sem ferimentos. Ao mesmo tempo, o aparelho permite que brigadas de incêndio ou bombeiros militares sejam acionados, a fim de evitar maiores problemas.

Confira no post de hoje como funciona esse importante recurso e conheça alguns modelos disponíveis no mercado!

 

Estrutura de um detector de fumaça

De modo geral, a estrutura de um detector de fumaça é relativamente simples. Ela é composta por uma carcaça que abriga o sensor de fumaça e os circuitos eletrônicos — que fazem com que o sensor acione um alarme. Estes circuitos também poderão acionar um alarme remoto em uma central de monitoramento específica do aparelho.

 

Quais são os tipos de detectores de fumaça?

 

Existem vários tipos de detectores de fumaça, destinados a ambientes específicos e às maneiras como estes ambientes são utilizados. A diferença básica entre eles se dá nos sensores. Os mais comuns são os sensores óticos, ou fotoelétricos, e os iônicos.

 

Veja como funcionam:

 

Detector de fumaça fotoelétrico

 

Um detector fotoelétrico simples é linear e possui de um lado uma fonte de luz e do outro um sensor, que é chamado fotoelétrico porque transforma luz em eletricidade. Quando o feixe de luz é interrompido, por uma pessoa que passa, por exemplo, também é interrompida a condução da corrente elétrica, o que aciona um aparelho qualquer, que pode ser um alarme instalado em uma porta, daqueles que encontramos em algumas lojas.

 

Nele, em uma estrutura em forma de T, estão posicionados o emissor de luz, em uma das extremidades da parte horizontal do T, e o sensor fotoelétrico, que fica na base da parte vertical do T. Enquanto não há fumaça, a luz segue em linha reta, mantendo o alarme desligado. Quando há presença de fumaça, ela penetra na estrutura fazendo com o que o feixe de luz seja desviado em 90°, atingindo o sensor e disparando o alarme.

 

Detector de fumaça iônico

 

Os detectores de fumaça mais utilizados e mais eficientes são aqueles que utilizam como sensor um sistema composto por uma fonte de eletricidade conectada a uma câmara de ionização. A câmara contém ar e uma pequena quantidade do elemento amerício-241, uma fonte de radiação extremamente baixa e inofensiva. O funcionamento é simples. Nas duas extremidades da câmara existem placas metálicas que são energizadas com corrente contínua. O ar ionizado pelo amerício-241 conduz a eletricidade entre as placas. Quando a fumaça penetra na câmara, a corrente é interrompida, disparando o alarme.

 

Qualquer que seja o sistema utilizado, além dos alarmes locais, é importante que eles estejam conectados a uma central de monitoramento a partir de onde poderão ser tomadas as medidas necessárias em caso de incêndio, mesmo na ausência de pessoas no local.

 

E aí, está pensando em instalar um detector de fumaça em seu estabelecimento? Compartilhe com a gente as suas dúvidas e opiniões sobre assunto. Nós podemos te ajudar!

   
Voltar
Imprimir
Compartilhar
Comentários:
0 Comentário(s)

Deixe o seu comentário!